Russia busca liderança


logo ascar associados_1.jpg

RUSSIA BUSCA LIDERANÇA

Uma população de 142 milhoes de habitantes e um P.I.B., em 2007, de 1,2 trilhao de dólares explicam o otimismo da Russia em se transformar, em poucos anos, ( falam em 2.010 ) no maior mercado supermercadista europeu. Mas há outros fatores muito mais significativos para essa crença.

O mercado russo de varejo alimentício é ainda dominado por tradicionais canais como as feiras livres com 46% de participação os quiosques e pavillons com 12% e as pequenas mercearias com 22%. Assim so sobrou 20% para o varejo moderno, com os hipermercados participando com 3%, os supermercados com 6% e os discounters com 11%.

Ora, quem tem só 20% tem uma enorme caminho a percorrer. Outros fatores para essa crença é que o pais se abriu para o mundo só há poucos anos, alem do sistema rodoviário, tão necessário, só agora começar a ter forma. Ninguém no país investia em lojas modernas até por desconhecimento, e nenhuma rede européia supermercadista se animava a faze-lo.

Lembro de ter ido a Rússia em junho de 1981 e de não ter encontrado nenhum supermercado como os nossos. Alguns poucos abertos, eram de propriedade e operados pelo governo e trabalhavam muito mal e com menos de 300 itens em lojas muito pequenas. O comercio pequeno e de rua era o dominante. Parece que as coisas ainda não mudaram muito.

 A primeira rede privada foi inaugurada só em 1.991 em Moscou denominada Seventh Continent. Em seguida o Grupo Alfa desenvolve uma outra rede, a Perekriostok. E foram surgindo outras lojas pelas maiores cidades do país. Os estrangeiros só aparecem em 1.996 quando o Migros Turk entrou no pais atraves de uma join venture com a empresa local Ramstore, sendo seguido pelo frances Auchan e pelo alemão Metro em 1.998. Em 2.000 chegou a holandesa Spar franquiando lojas para um grupo local e em 2.004 a alemã Rewe faz o mesmo com a empresa russa Marta. Os locais reagem, copiam, aprendem e surgem outras redes como; Magnit, Dixy, Pyaterochka, Kopeika e Lenta.

Maior varejista

Mas não pensem que é estrangeiro o líder do país. O maior varejista, o grupo denominado X5, surgiu da fusão das redes Perekriostok e Pyaterochka em 2.006. A primeira concentrada em supermercados e a segunda operando discounts. Em 2.008 compraram a rede Karusel que operava 23 hipermercados. O moderno varejo alimentício estava implantado: discounters com áreas de 500 a 1.000 m2, operando até 4.000 itens e margem de 17 a 24% supermercados tradicionais com margem media de 28 % e ate 20.000 itens hipermercados com áreas de venda de 4.000 a 15.000 m2, 15.000 a 40.000 itens e margem de 13-20%. Mas não nos esqueçamos, eles só tem 20% do mercado total alimentício.

Especialistas dizem ainda que só em Moscou ha espaço para mais 30 hipermercados, 300 a 400 supermercados e entre 600 a 700 discounters. Imaginem então os generosos espaços existentes no resto do pais. Tudo leva a crer que o moderno varejo deve crescer muito e justificar o otimismo do pais. O crescimento da venda anual no conceito “mesmas lojas” tem sido de 9 % desde 2.005, um percentual muito animador. Mas ser o líder europeu, no entanto, deve levar um maior tempo do que o previsto por eles.

 Conheça agora as principais redes e seus números.:


Redes                Vendas 07       % mkt share  N.Lojas          Formatos

X5 + Karusel       6.160 mm            15,8           1.564           Hiper, Super, Discount

 Magnit                 3.900                   10,0          2.198             Discount 

 Metro                  3.178                     8,1            493              Hiper

 Auchan                2.890                     7,4              28              Hiper Super

 Dixy                    1.520                      3,9            388             Discount, Hiper

 Total 5 maiores  17.648                    45,2         4.671


Antonio Carlos Ascar

Consultor de Varejo da Ascar & Associados

Fonte: Revista SuperHiper