Os Proximos 10 Anos

                                Antonio Carlos Ascar

                                                         Condensado de um artigo da

                                                     Supermarket News de março de 2010

Esses últimos 10 anos foram de muita agitaçao, para os supermercados.

 Surgiram grandes superficies de vendas; os supermercados medios reagiram com mais qualidade nos produtos e melhores servicos; os layouts evoluiram e sairam do “sempre iguais”; as vendas pela internet cresceram e principalmente, uma pequena seçao de “Pratos Prontos da Rotisserie  cresceu e transformou-se em uma atividade que envolveu toda a loja, tal a sua importancia.

Agora, o que trara a próxima década ?

Varios especialistas, consultores e executivos  americanos entrevistados deram a sua opiniao para a revista. Aquí procurei sintetizar as ideias e conjecturas mais factiveis, segundo a minha opinião.

Vamos partir do principio que :

-      Estamos  lidando com um diferente consumidor.

-      Com participacoes etárias mudando

-      Buscando respostas muito rápidas as suas necessidades

-      E comecando a sair de uma recessao.

Com essas consideracoes, veremos nos próximos 10 anos:

-      O marketing num sentido amplo, exigirá novas ferramentas.

-      Novos pequenos formatos de conveniencia se fortalecerão. Já sao um sucesso na Europa, e devem acontecer nos EUA.

-      Isto será fortalecido pela idade mais avançada da populacao, pelo alto custo do metro quadrado construido, e pelas mudancas nos habitos das familias.

-      Na verdade o tamanho medio das lojas continuara a cair.

-      As redes de Sortimento Limitado ( Hard Discount) Aldi e Save-a-Lot e todo o segmento de descontos crescera pelo mundo e nos EUA.

-      Os layouts tradicionais divididos por departamento, poderao vir a ser divididos considerando os propósitos de compra dos consumidores.

-      Um tamanho que serve para todos (one size fits all) nao mais existirá.

-      Sortimento e variedade bem como foco na vizinhanca terão que ser personalizados.

-      Quanto menores as areas de venda, as lojas poderão ser mais focadas.

-      A importancia antiga de vender “valor “será superlativada.

-      Marcas Proprias podem chegar a representar 35% das vendas das lojas.

-      Havera grande concorrência entre as redes que operam lojas pequenas e tambem com os grandes operadores que  vão entrar nesse mercado.

-      Por outro lado crescerá a participacao dos formatos que focam primordialmente Precos Baixos (Price impact)

-      A busca por eficiencia será muito maior e havera forte  pressao sobre fornecedores e transportadores.

-      Fala-se muito em fusoes e aquisicoes que podem diminuir o numero de players. Europeus comprando redes americanas e vice-versa.

-      A linhas de produtos, o mix, será reduzida e mais eficiente será o sistema de estocagem. O “just in time “ e vendas em consignaçao se fortalecerao.

-      Os novos projetos de lojas deverao buscar mais eficiencia nos expositores e menos espaços perdidos na area de vendas.

-      Havera um continuo uso da internet para a comunicação com os consumidores.

Um denominador comum dos entrevistados, um tema que a maioria comentou, e portanto trago para dar um  fecho a esta materia  diz respeito aos consumidores buscando, cada vez mais, preço e valor agregado. Seus comportamentos de compra serão muito motivados por ese binômio.

Comprar barato produto de baixa qualidade, ou pagar caro produto de boa qualidade, perderá mercado para  Preço e Valor.

                                    -----------------------------------------------------------

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Supermarket News